sexta-feira, 17 de março de 2017


The beginning of the school year is usually the time teachers start searching for new ways to twist up their classes and to foster motivation amongst their students. After all, who doesn't love a new game, a different activity to start a lesson or unit, an alternative way to evaluate students' progress? We have selected a few simple and easy ideas that can get your started fresh and new.


Set yourself a target of introducing at least three online tools this semester. Use them in different contexts. We suggest PADLET, WORDLE and STORYBIRD.

We know we all learn by observing others as well as hands on activities. For teachers, peer observation is an excellent tool for professional development. Invite another teacher to take part of the yearly project and exchange class plans and arrange peer observations with clear objectives. Your classes will improve tremendously. Read more about it here:

Students love field trips, however, sometimes it is impossible to make that so dreamed trip with your group. How about a virtual field trip? With so much available on the web, students can tune into museums, countries etc.,.. or arrange their own virtual field trip.

Help your students take a step towards extensive reading. Choose at least one title per semester and develop a project regarding the reader. Check out a little more clicking here:

Students come to us from different cultural backgrounds, possess diverse learning abilities, acquire and understand concepts at different paces and enjoy distinct activities. How can we teach them the same way? How can we expect them to learn at the same pace? Differentiating your instruction is the only way out. Read more here:

Just because course books are mandatory does not mean they have to be the only resource, nor the protagonists in your classroom. There are so many different ways to diversify course book instruction that your students won’t even realize you’re actually working with them! Read more here:

Project-based learning is here to stay because it engages students in truly meaningful learning and it works! Learn more about PBL in the language classroom with our online course:

Learning from your peers: this is what we want from our students, but we forget how much our fellow teachers can teach us too. Break the boundaries between subjects and work on a project with Science, History, and even Math!

Take notes, ask yourself questions, and record your results: show people with clear data where you were and what you were able to accomplish with your work.

Use classroom time to let students apply their knowledge and get their hands on the content. Leave long readings and lectures for homework. Learn more here:

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Classroom management, multileveled classrooms, differentiated instruction and the whole lot!

(Louise Emma Potter)

Teaching strategies, background knowledge related to neuroscience and psychology, language knowledge and awareness, and child development are just a few of the many contexts language teachers must know how to deal with on a daily basis in their classrooms. The norm for a public or private school is to have 50 minutes, twice a week together with a classroom of 30 multileveled students. To have multileveled students in your classroom does not necessarily mean that students are only at different stages in their foreign language acquisition, but they are also multileveled due to their educational background in their mother tongue, due to their cultural background, their different expectations as students, their goals as language learners, their learning styles, their access to the target language outside the classroom and many other factors.

For this reason, teacher development is a never-ending story. In order to be in the classroom, we must be passionate about it! There is so much going on inside and outside the classroom that to ignore the many other contents beyond the language itself is to fail as a language teacher. As Prabhu (The dynamics of a classroom-1992) states “The classroom lesson is an event of several different kinds: It is a unit in a planned curricular sequence, an instance of a teaching method in operation, a patterned social activity, and an encounter between human personalities. Much of what happens in any given classroom represents a stable routine which best reconciles the varied demands of these different dimensions for the particular teacher and learners in question.” So, where do we start? How can we accomplish our goal of teaching in this multileveled environment?

Due to the scenario above, I believe that having the whole class do exactly the same activity does not work. Some students are what we may call Below-level, some are At-level and some are Above-level. How can they possibly accomplish the same objective by the end of the class, doing the same activities if they were not at the same level at the beginning of the class? Differentiating our instruction is a must in the language classroom. The aim of differentiating the instruction is that, no matter where the student started off at the beginning of the class, by the end of the class, all the students should have taken at least a step ahead, in their own level. Students who are below the expected level do not go beyond tasks that perform thinking on the lower levels: remembering and understanding. Students who are at the at-level will be asked to apply and analyse the content, and students who are above level should be asked to complete tasks in the areas of evaluating and creating

There are obviously many challenges at first:

• Determining where each of your students are and what they need.
• Organizing appropriate groupings within the class.
• Ensuring that all students are challenged and engaged.
• Organizing the same material for different levels.
• At the beginning, it can be time consuming for the teacher.

But the benefits are amazing:

• Students are able to learn at their own pace.
• We teach students to work collaboratively.
• Students become autonomous learners, which is our ultimate goal.
• Students develop strong relationships with their peers.
• All students are engaged and on task.

As we can see, classroom management skills are extremely necessary if you want to put differentiated instruction into practice.

Here are some simple examples of how you can incorporate differentiated instruction into your classroom within the different skills and activities and that do not take up too much time:

Reading and listening

You can use the idea of a flipped classroom: give the students who are below level the opportunity to listen to the recording or read the text which you are planning to use in the upcoming lesson at home. This gives them the opportunity to read or listen to as much as they like.

When working on the text inside the classroom, you may use the technique of jigsaw reading: divide the reading text into unequal lengths and difficulty and hand them out to students according to their level. In multileveled classes, grouping must be very accurate. Student below level can just answer straight questions, at-level students can analyse the content and make up questions and the students above level can evaluate the reading and create a similar one.

Vary the length of the writing (amount of word – 50 / 100/ 150) and make sure the weaker students have a model to follow. Below level students should write a paragraph, at-level students maybe 100 words and above level should write 150 words.

During pair work, after modelling an activity, below level students are expected to work with only the first part of a conversation whereas the others should work with the whole conversation. Another idea for a differentiated speaking activity is having students work in pairs. Hand out flashcards to the students. The above level student needs to make up questions (which is generally more difficult than answering) and the below level student should answer the questions.

Using learning stations
Learning stations aid teachers when you have multileveled students. Students are on task and working at all times, with different objectives and outcomes. Read more here.

Project work
Students at various levels can contribute to collaborative projects. The final products can differentiate according to their language level.

I only pinpointed some activities but I strongly encourage you to read more about differentiating your instruction. There is much more to it and you will definitely excel in your classroom. I know there is no right answer and no best method for learning. We each have our own special way of teaching and learning. That is why we can never stop studying. Never stop looking out for what others are doing and reflect upon what we are doing all the time!

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Sobre usar a língua materna na aula de língua estrangeira – Experiência e observação

(Juliana Tavares)

Se você dá aulas de língua estrangeira há tempo suficiente (e esse tempo nem precisa ser tão longo), você provavelmente já se envolveu em algum tipo de discussão sobre usar ou não usar a língua materna na sala de aula, o quanto usar a língua materna, quando usar a língua materna, ou ainda a hora de certa de parar de usar a língua materna (mais ou menos como aquelas conversas entre mães sobre quando tirar a fralda, ha, ha, ha!). Conversas desse tipo são recorrentes e sempre geram controvérsias. A verdade é que cada um tem sua própria teoria sobre o assunto e, na maioria das vezes, acabamos mesmo agindo por instinto. Mas será que não podemos aprimorar esse uso?

No final das contas, a questão que acaba sempre pairando no ar é: precisamos usar a L1 tanto quanto às vezes usamos? Essa questão, por sua vez, nos leva a refletir: há mesmo necessidade de se usar a L2 o tempo todo?

Para falar sobre o assunto com um pouco mais de, digamos, "autoridade", vou fazer um recorte em nosso vasto universo do ensino de línguas, no qual destacarei o inglês no Ensino Fundamental I, ou seja, o inglês da escola para os pequenos-não-tão-pequenos. E eu faço esse recorte justamente porque creio que cada realidade é uma, cada objetivo é um, cada faixa etária é uma. Tenho também consciência de que, dentro desse recorte, há uma infinidade de realidades bastante distintas, mas acho que somente o fato de delimitar meu público um pouquinho já pode nos ajudar.

Também falo do ponto de vista de alguém que hoje observa aulas, mas que já esteve, por muito tempo, do outro lado. A vantagem de se observar é que podemos oferecer ao professor um ponto de vista de quem está do lado de fora da interação e observa todo potencial existente naquela sala, com aqueles alunos. Creio que eu e a Louise já falamos muito aqui a respeito do que pensamos sobre observação de aula e como ela é essencial para que o coordenador conheça as necessidades de sua equipe e acompanhe de perto o desenvolvimento de cada professor.

Enfim, voltando à nossa questão: dentro do recorte delimitado e tomando por base a experiência e a observação, como fica a questão do uso da língua materna?

Se nos colocarmos no lugar de uma criança de 6 anos, no primeiro ano do Ensino Fundamental, que chega à sala de aula e se depara com a professora falando inglês o tempo todo, é possível entender se essa criança de repente quiser sair correndo, ou começar a chorar, ou ainda a rir sem parar e não levar nada a sério simplesmente porque ela não sabe o que está acontecendo na maior parte do tempo. Este é um típico exemplo do exagero, do extremo oposto. Há que se conceder um tempo de adaptação para os pequenos, dentro do qual se ensina como vai ser, trabalha-se para que a criança se sinta confortável naquele ambiente e entenda o código estabelecido: na hora da aula, na hora de aprender, vamos falar o máximo possível em inglês. Quer dizer, o professor vai falar em inglês, porque os alunos, obviamente, ainda não conseguem e nem possuem insumo suficiente para isso. Entretanto, é essencial que trabalhemos sempre com a ideia da progressão: o que posso esperar que meus alunos que hoje ingressam no primeiro ano do FI sejam capazes de compreender e produzir ao final do ano letivo?
Sabemos também que nas demonstrações de afeto e em situações nas quais ainda se está construindo vínculos com os alunos, a língua materna é bem mais eficaz; em situações nas quais temos que lidar com problemas de comportamento, ela é muito mais rápida. É quase como se, ao usar a língua estrangeira, o professor estivesse incorporando uma personagem para um faz-de-conta e ao usar a LM, esse personagem dá lugar ao professor “de verdade”. É claro que isso aos poucos diminui, conforme a interação na língua estrangeira se torna mais natural. Mas é preciso tempo, paciência e a noção da progressão sobre a qual falamos acima.

Além da necessidade de se ter sempre em mente a progressão dos alunos, é preciso também trabalhar arduamente para se manter a interação na língua estrangeira como algo realmente eficiente para o aprendizado. Há que se ter muito cuidado com a linguagem: não é bom para os alunos facilitar demais e também não é bom se falarmos mais do que precisamos o tempo todo. Facilitar significa usar menos palavras e simplificar a linguagem, mas não significa falar demasiadamente devagar, modificando a pronúncia das palavras (problema bastante comum) e estrutura das sentenças para que os alunos “entendam”. Se vão entender algo somente ali na sala de aula com aquele professor, de que adianta?

Outro problema comum está na necessidade que temos em sentir que o aluno está entendendo tudo. Penso que faz parte do aprendizado que ele não entenda tudo hoje, mas entenda um pouco mais amanhã e mais ainda depois. Porém, essa construção só é possível se mantivermos a consistência do uso da língua estrangeira. “Eles não entendem o que eu digo” é um argumento muito superficial. E você ficaria surpreso em saber o quanto os alunos nos entendem. Só precisamos dar a eles um pouco mais de crédito e acreditar que é possível.

Vamos tentar?

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

What are you doing inside my classroom?

(Louise Emma Potter)
The culture of classroom observation, teacher feedback and discussions is more frequent in language schools than in private and public schools. Teachers are not used to having other people in their class other than their students. Classrooms are teacher’s private space, their small world to manage.

When we think of classroom observation, the first thing that comes to our mind is classroom performance. Evaluating the teacher. Coordinators inside the classroom. However, more and more schools are using classroom observation as a form of professional development to improve teaching practices and student performance. This time, no coordinators or principles can be seen sitting in the classrooms, only colleagues.

Classroom observation in schools is usually frowned upon. Teachers do not feel comfortable and are under the impression they are been watched and criticized. When teachers enter their own classrooms and close the door, the classroom becomes their own small hidden secret niche.

It is time to open up our classrooms and share all the great practices that are going on inside them.

What is peer observation?


Peer observation is having a colleague come into your class and observe your practice and exchange ideas.

It builds a collaborative and trust culture inside the school.

Why is peer observation important?


“The most positive benefit of teacher-to-teacher observation is that it makes teaching a public rather than a private act." Stephanie Hirsh, executive director of Learning Forward.

We need to change the concept that teaching is a private act. Sharing, exchanging ideas, watching other colleagues' practice can help teachers handle not only behaviour problems, but also opportunities to share successful teaching practices with peers.

In order for the teachers observing teachers practice to actually work and have a positive outcome, some primary aspects need to be taken into account:

• Teachers need to have some level of trust. Both sides need to understand that the reason to observe each other is to help and not scrutinize.
• Reasons to observe must be clear. Teachers should be observing student’s behaviour, different skills applied in order for students to achieve learning objectives, teacher/student interaction, resources used by the teacher, etc.
• Most important of all, there must be a discussion moment after the observation and then, a reflection upon the observer’s own practice.

What are the benefits?


• Gives teachers an opportunity to learn from each other in a non-threatening environment.
• There is a growing atmosphere of trust between teachers inside the school.
• Teachers will begin to share ideas and suggestions openly and constructively.
• Helps less experienced teachers to develop their practice.
• It is a powerful tool for professional development.
• Teaches teachers to work collaboratively.
• Observers acknowledge different classroom management skills and different approaches that can lead to the achievement of the same goals.

Peer observation provides the teaching staff with an opportunity to reflect on and improve their teaching practices. It promotes supportive teaching relationships, collaborative work and enhances student’s learning.

I would definitely encourage you to put this into practice in your school.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Cinco maus hábitos que precisamos parar agora!

(Juliana Tavares)

Nossa profissão, como qualquer outra, cria vícios que são muitas vezes inconscientes e difíceis de controlar. Eles podem ser coisinhas mínimas, sem importância, como por exemplo repetir a mesma expressão inúmeras vezes (lembra quando você era aluno e ficava contando quantas vezes seus professores repetiam determinada palavra na aula? Pois é, aquele professor pode ser você hoje!). Algumas vezes, porém, essas manias podem estar atrapalhando o aprendizado de seus alunos. Pensando em inúmeras observações de aula já feitas, assim como em coisas que ouvimos de colegas de profissão que têm consciência de suas falhas, selecionamos uma pequena lista de hábitos sobre os quais você deveria refletir. A melhor maneira de saber se você os pratica ou não é tendo sua aula observada por seu coordenador, seu colega, ou mesmo filmando você mesmo e assistindo depois. E aí, teacher? Vai encarar?

Você repete o que seus alunos falam

Echoing is annoying. Fato. É claro que a gente faz sem perceber, ou porque queremos corrigir a pronúncia de nossos alunos simplesmente fazendo com que eles ouçam a maneira correta. O problema é que isso aumenta seu teacher talking time e não serve para muita coisa. Se você quiser repetir o que seu aluno fala com as correções adequadas, então chame sua atenção para isso. Diga: You should say... e então use a forma correta. Mas não repita como um papagaio sem propósito algum.

Você facilita demais a linguagem com medo que o aluno não entenda o que diz

Esse problema é muito comum e penso que seja uma das coisas que mais atrapalham o desenvolvimento da compreensão oral nos alunos. Se você facilita a linguagem a ponto de transformá-la em algo que pessoas nativas não usariam na vida real, você não está ajudando seu aluno a treinar estratégias de compreensão. Ao contrário, você o expõe a uma linguagem que é possível apenas dentro da sala de aula. Desde o início o aluno dever estar ciente de que não precisa entender to-das-as-pa-la-vras que ouvir em inglês ou espanhol. O que conta é a compreensão da mensagem e a capacidade de se comunicar efetivamente. Com o tempo, ele vai sentir que compreende cada vez mais sem necessariamente você ter que se dirigir a ele como se ele fosse uma criança de três anos!

Você interrompe o aluno constantemente para corrigir o que ele diz

Que fique algo bem claro: não sou contra correção on the spot. Ela é necessária e ajuda o aluno a melhorar a precisão de sua gramática e pronúncia. Porém, há momentos nos quais o excesso de correções, principalmente as que interrompem o aluno a todo momento, não surtem o menor efeito e acabam por minar a motivação do aluno em se arriscar na língua. Em situações mais informais, como por exemplo, o aluno que encontra com você no corredor da escola e junta toda a coragem para começar uma conversa em inglês, ficar interrompendo a fala do pobrezinho a cada cinco segundos para corrigi-lo vai fazer com que ele nunca mais se arrisque na vida! Bom senso é a ordem em casos assim. Saibamos usá-lo.

Você faz elogios vazios

Nossa mania de dizer very good deveria ser estudada por psicólogos. O que exatamente isso significa? Vamos parar para refletir se nossos alunos realmente estão levando em conta um elogio que é repetido constantemente e em qualquer ocasião. Penso eu que eles já nem escutam mais quando falamos isso. Ao invés disso, prepare e pense em elogios e feedback que serão realmente úteis para seus alunos. Ao invés de dizer very good ao aluno que escreveu uma boa redação, diga como você gostou do parágrafo introdutório dele, ou como ele melhorou o uso do Present Perfect, por exemplo. Ao invés de very good para a aluna que falou quase sem cometer erros em um debate, diga: "You've made a fantastic point!" E veja as carinhas deles se iluminarem. Elogios bem pensados e com foco no que realmente o aluno fez direito são mais que meramente elogios, mas são parte importante de nossa avaliação sobre o desempenho de nossos alunos.

Você exige menos (ou mais) que seus alunos podem oferecer.

É complicado esse equilíbrio: se somos muito bonzinhos, nossos alunos não evoluem, acabam desmotivados e desistem de estudar. Se somos muito exigentes, a pressão pode fazer com que o aluno “espane” e desista da mesma forma, desta vez com a autoestima abalada – a pior coisa que pode acontecer. Porém, se estivermos atentos aos sinais, é possível perceber se estamos deixando a desejar nas demandas ou se, ao contrário, estamos exagerando nelas. É preciso ficarmos atentos às maneiras como nossos alunos reagem aos nossos estímulos: se é com tédio e falta de motivação, ou se é com ansiedade e preocupação.

Lembrar que nossos alunos possuem anseios, inseguranças e necessidades específicas nos ajuda a manter o foco e evitar os erros acima. Somos humanos em constante aprendizado, assim como nossos alunos. Refletir sobre nossa prática e sobre o que estamos fazendo para aprimorá-la cada vez mais é sinal de que queremos crescer, assim como nossos alunos! E então? O que você vai fazer para “matar” esses hábitos?

sábado, 1 de outubro de 2016

Sobre a famigerada indisciplina escolar (e as coisas que dizemos a respeito dela)

“Esse menino é terrível!”, diz um professor aqui. “Gente, cadê os pais dessas crianças?”, esbraveja outro. “Eu acho que educação vem de casa e a gente não pode fazer o papel dos pais, era só o que faltava!”, vocifera mais um. Em qualquer sala de professores, tanto das escolas públicas quanto das particulares, essa conversa é bastante comum. A impressão que temos é que a indisciplina é muito pior na escola de hoje do que durante a época em que éramos alunos. Dentre as principais reclamações sobre disciplina estão a dificuldade dos professores em prender a atenção dos alunos e a falta de respeito por parte dos alunos para com o professor e demais funcionários da escola. As duas reclamações são bastante pertinentes e sabemos que o problema atrapalha o andamento das aulas e interfere na motivação do professor em fazer algo que demande algum tipo de inovação em sua prática. Porém, se ficarmos o tempo todo reclamando do estado das coisas sem procurarmos nos inteirar das razões pelas quais elas acontecem e, mais grave ainda, sem acreditarmos que podemos fazer algo para melhorar, nosso trabalho se torna maçante e nós nos tornamos profissionais sem paixão. E como podemos transmitir a paixão por aprender se não tivermos paixão por ensinar?

Presta atenção, menino!

Vamos à questão da falta de atenção. É impossível não notarmos que os alunos que chegam à escola hoje possuem coisas muito mais interessantes para fazer e ver em suas casas ou na casa de colegas. A tecnologia trouxe consigo um universo de infinitas possibilidades de exploração e descobertas, disponível para as crianças com apenas um toque nas telas de seus tablets. Além disso, o conhecimento, que antes tinha um lugar quase que exclusivo dentro do espaço escolar, passou a estar também prontinho para ser acessado dos smart phones. Se eu quiser saber quantos quilos pesa um bebê orca, tudo o que eu preciso ter a combinação apropriada de palavras em meu site de busca para encontrar essa informação. A pesquisa como tarefa de casa ganhou outro significado. Fazê-la é muito fácil e nada desafiador. Professor, acabei de ver no meu celular que um bebê orca pesa 200 kg. Próxima pergunta, por favor.

Portanto, para que nossos alunos se interessem por nossas aulas, é preciso, em primeiro lugar, que nossas aulas sejam mais interessantes. Isso significa que os conteúdos devem ser aproximados da realidade dos alunos, já que o acesso a eles pelo aluno não mais depende do professor. Cabe a nós utilizar a tecnologia a nosso favor, criando em nossa sala de aula um espaço no qual os alunos aprendam a compartilhar o que sabem, assim como a construir algo novo a partir do que sabem. Os fatos e as informações estão bastante acessíveis; resta agora ao professor mostrar como fazer algo produtivo com eles. Alunos produzindo dificilmente se comportam mal.

Educação vem de casa?

A frase acima, repetida como um mantra por professores já bastante frustrados com a questão da disciplina, nem sempre se aplica a determinados contextos. Muitas vezes o problema de falta de disciplina nem sempre se trata de má educação. É preciso entender que o aluno que ingressa na escola ainda não sabe como se comportar no espaço escolar. Todo comportamento é adquirido. É na escola que se ensina como se comportar na escola. O espaço escolar é diferente do espaço familiar. É claro que alunos carentes de limites dentro de casa serão mais difíceis de lidar na escola; porém, muito depende da coerência e da consistência de nós, os professores, desde as séries iniciais. Todos nós já trabalhamos com turmas que, por terem tido um professor mais permissivo, chegam a nossas mãos sem muitas habilidades sociais, autocontrole e postura adequados; da mesma forma, também às vezes recebemos  turmas que são verdadeiros "presentes": alunos visivelmente acostumados com uma rotina e muito melhor disciplinados que a média. É muito fácil averiguar que tais turmas tiveram um professor mais comprometido com a disciplina. 

Infelizmente, hoje em dia a competitividade e a preocupação em formar "para o mercado" atinge nossos alunos cada vez mais cedo. Consequentemente, vemos o conteúdo dominar as salas de aula precocemente, em detrimento do ensino das habilidades não cognitivas, da educação emocional, das relações sociais, etc.

A verdade é que a conquista da disciplina dentro da sala de aula é um trabalho diário, árduo e cujos resultados raramente são vistos por quem o iniciou. Esse trabalho faz parte de nossa missão mais importante como professores: educar para a vida. Pouco podemos fazer em relação ao fato de nossos alunos terem pais ausentes, pais permissivos ou pais negligentes. Porém, podemos pensar no que fazer para que esses alunos também tenham uma chance de aprender na escola o que deveria ser aprendido em casa. Tarefa difícil? Sem dúvida! Mas quem escolheu a profissão de educador não estava esperando algo fácil, estava?

terça-feira, 27 de setembro de 2016

As Vantagens da Educação Online para o Professor de Inglês


"Você trabalha também, ou só dá aula?" Difícil encontrar um professor que nunca ouviu essa pérola em sua vida. Como se não fôssemos ocupadíssimos com nossa profissão, pulando de uma escola para outra, preenchendo nossos horários da melhor e mais otimizada forma possível. Nessa atribulada rotina, fica bastante complicado encaixar um horário fixo para dedicarmos ao nosso desenvolvimento profissional. Dessa forma, cursos online  ministrados 100% a distância e de forma assíncrona, tomam espaço cada vez mais espaço e ganham destaque dentre profissionais cujos horários são bastante ocupados, mas ao mesmo tempo flexíveis o suficiente para encaixar uma boa oportunidade de aprender mais.
Pensando nisso, a Teach-in Education criou dois cursos online para o desenvolvimento de profissionais de ensino de idiomas que desejam aprimorar seus conhecimentos, mas que não conseguem alocar um horário fixo para isso. Nossos cursos possuem a conveniência da modalidade EAD e são feitos sob medida para quem não abre mão da comodidade de poder estudar de qualquer lugar.
Nossos cursos foram elaborados levando em consideração os mais variados problemas que o professor de línguas no Brasil enfrenta. Como nosso trabalho envolve o contato direto com esses profissionais, sabemos de suas necessidades e das áreas nas quais há mais oportunidades de desenvolvimento.
Nossos cursos são ministrados em inglês. Nos links abaixo, você terá todas as informações que precisa: duração, valores e conteúdo programático para cada um deles, lembrando sempre que, uma vez matriculado, o aluno pode estudar a qualquer hora e de qualquer lugar, pois todo o conteúdo é disponibilizado ao mesmo tempo para a sua conveniência.

Saiba mais sobre nossos cursos aqui:
First Things First -Essntial Principles for Classroom Management - nova turma com início e 03/10/2016!
Beyond the Course Book - Using Alternative Resources to Enhance Learner Motivation